sexta-feira, 3 de março de 2017

Rastejando


Cada minuto que se respira e se sente vivo, se tornam únicos. Cada sentimento que ousa-se sentir é único. Não é porque esta vadia se ajoelha diante de alguém, que rasteja literalmente em sua direção, que não tenha amor por se ou isso a torna frágil, talvez por um momento possa até parecer fragilidade, mas que só se demostra diante de dELE.


Só aqueles que se aventuram a abrir a porta, a descobrir o que esta submissa é por trás das sensações, profundas, que mesmo quando o pavor toma conta de sua alma e mesmo assim se deixa alçar em voos maiores, por amor.



Por submissão, por vontade própria, somente esses podem ter orgulho da derrota ou da vitória, porque concederam-se viver intensamente ... Viver, esta vadia Vive entregando-se a Ele. A alma submissa, submissão imperfeita, amor imperfeito, impreciso, simples e rústico.

ela entra muitas vezes no labirinto da dor e espera por a mão pesada dele, quente a segura com força, mas que muitas vezes precisa apenas de um afago, contudo, mesmo assim segue calada.

Olham para ela e veem fracassada, porque não entendem o quanto por dentro, esta puta treme de satisfação, o quanto ela tem que ser forte para esta ali, prostrada.



Não conseguem enxergar o quão belo é a força de um amor submisso.


ela enfrenta medos, orgulho, ânsia, e os deixa para trás momentaneamente ou perenemente. Porque naquele momento revela toda essência desta devassa. Não se quebra diante dELE, diante dELE se entrega por inteiro.

Enquanto estava vendada ao senti o estalar do chicote, o corpo desta puta, mesmo antes de receber o primeiro golpe, estava entorpecido.


  


Quão e quase insuportável, é a dor dentro do peito, mas quanto êxtase e prazer em servir. Que cada marca, que cada súplica dela, se transforme em um troféu para Ele.




Quanta formas de amor, de submissão, de dor, de orgulho podem conter dentro de um ser humano e quantos seres humanos se deixaram apenas SENTIR assim, sem nada pedir mesmo desejando, mesmo querendo, mesmo ansiando, mesmo sem se caber querer. E se ama plenamente esta vil vadia, por ser assim e essa é simplesmente ela, schanna.






"primitiva - rastejando, sentindo a força de um domínio"

3 comentários:

  1. O despertar é como um parto...você está ali, acolhida e protegida no auto-desconhecimento e quando se descobre, os conceitos antigos não fazem mais sentido algum, tudo se fez novo.
    A submissão é uma dádiva, é única...é conquistada pouco a pouco, jamais é tomada á força, embora se fale de liturgia e hierarquia, aquele que tocar a sua alma, saberá dosar com equilíbrio e inteligencia o comprimento da coleira e te dará uma estrela sem tirar os pés do chão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Darth Leander, Obrigada por seu lindo comentário.

      Excluir
  2. Como queria ter voce como minha escrava!

    ResponderExcluir